Pular para o conteúdo
Início » Projecto- REFLORESTAMENTO EM ECOSSISTEMAS DEGRADADOS NA RESERVA NACIONAL DO NIASSA

Projecto- REFLORESTAMENTO EM ECOSSISTEMAS DEGRADADOS NA RESERVA NACIONAL DO NIASSA

desmatamento.jpeg
  1. OBJECTIVOS
  • Recuperar Ecossistemas Degradados Dentro e na Zona Tampão da Reserva Nacional do Niassa – Província do Niassa
  • Descrever os Ecossistemas Degradados;
  • Plantar Espécies Florestais Nativas Aferidas nos Ecossistemas Degradados;
  • Monitorar o Plantio das Espécies Florestais Nativas e o seu Impacto.
  1. DESCRIÇÃO DAS ACTIVIDADES

O período de vigência do projecto é de cinco anos (5 anos) e obedecerá três (3) fases: Pesquisa, Reflorestamento e Monitoria e Avaliação.

A pesquisa consistirá na identificação, análise documental e caracterização dos ecossistemas degradados, buscando informações detalhadas sobre o estado original ou suas condições naturais (antes da degradação) bem como, o seu estágio actual (pós degradação). Posto isso, culminará com a identificação do estrato arbóreo, arbustivo e herbáceo que melhor contribuíram para a recuperação do ecossistema.

  • Identificação dos Ecossistemas Degradados

Nesta etapa, será possível mapear os ecossistemas degradados e estimar a área atingida pela degradação, bem como, mostrar os distritos abrangidos pela degradação dos seus ecossistemas a nível da Reserva Nacional do Niassa, na Província do Niassa.

  • Caracterização dos Factores Abióticos

Realizar-se-ão estudos do histórico de ocupação do solo e análises do estado actual do solo, nas áreas afectadas pela degradação e nas zonas circunvizinhas, buscando as seguintes informações: nutrientes, nível de compactação e acidez no solo para possíveis correções. Estudo do clima, para se perceber a precipitação media, temperatura media, velocidade do vento, bem como, o levantamento dos cursos de água que alimentam os ecossistemas em estudo, e verificar-se-á o seu estado de conservação para possíveis intervenções.

  • Caracterização dos Factores Bióticos

Far-se-á o levantamento florístico por meio de estudo fitossociológico dentro da área degradada, e em áreas equiparadas ao estado original (antes da degradação) sobre o estrato herbáceo, arbustivo e arbóreo. Importa conhecer os diferentes estratos pois, em função do estágio de degradação, pode ser necessário a reposição da vegetação a partir do estrato herbáceo que contribuirá na identificação da fauna.

O levantamento da fauna será feito por meio de observação de pegadas, excrementos, e tipo de habitat presentes nas áreas degradadas e ao redor, isto contribuirá para a identificação do pasto a ser eleito na reposição da vegetação.

Para tal, serão feitas visitas de campo, para levantamento dos dados por meio de inventário florestal e faunístico, estudo do clima, coleta de amostras de solo e entrevistas a grupos focais, como os gestores da Reserva Nacional do Niassa, Anciões das comunidades atingidas pela degradação, gestores comunitários, ONG e as entidades governamentais, as actividades serão realizadas com o intuito de busca de informações sobre o histórico dos elementos da paisagem, o seu estado, bem como, na identificação das causas da degradação.

Fonte: